Não é atuação digital é comportamento humano no mundo digital

Não é atuação digital é comportamento humano no mundo digital

13/08/2018 0 Por adminblog

Quando falamos em DIGITAL, isso te faz lembrar automaticamente de que? Dos smartphones, redes sociais ou até mesmo de matrix? E se falarmos de ANALÓGICO, você lembraria dos rádios, ou as cartas enviadas por correspondência, ou quem sabe daquele velho telefone que tinha em casa com a rodinha nos números?

 

Essas comparações que surgem em nossa mente quando falamos em digital e analógico, quase sempre estão ligadas as formas de transmissão de mensagem, não é mesmo? Somos condicionados a este comportamento desde que nascemos, precisamos nos comunicar para transmitir aquilo que sentimos, o que queremos a até o que está apenas em nosso pensamento. Segundo William Watzlawick, quando falamos verbalmente alguma coisa, isso é nossa forma digital de comunicação, mas quando utilizamos apenas nossos gestos, postura, expressões, inflexão de voz, cadencia e até o ritmo de pronuncias, estamos utilizando nossa maneira de comunicação analógica. Quer um exemplo disso? Ao enviar um e-mail sobre um determinado assunto de teor mais sério, quem recebe a mensagem pode interpreta-lo com muito mais seriedade do que realmente é. Se o mesmo assunto, for discutido, face a face, será entendido de maneira diferente, uma vez que os gestos e demais elementos analógicos da comunicação estarão trabalhando em conjunto com a forma digital da fala.

 

 

Seguindo no gancho do e-mail, que é uma forma de comunicação digital, vamos falar um pouco do comportamento humano no mundo digital. Esse comportamento que era pra ser mais racional, uma vez que estamos lhe dando com uma evolução em nossa forma de comunicar, esta cada vez mas irracional, pois as pessoas não tem a necessidade de expor seu lado analógico, que reflete as suas emoções. Podemos ver constantemente, principalmente nas redes sociais, que as pessoas se expressam de maneira oportunista, invasivas e muitas e muitas vezes agressivas, com o único intuito de manifestar aquilo que ela julga ser o certo, doa a quem doer. Os humanos na ou da, internet não se importam com a opinião alheia e ficam felizes em ofender outras pessoas que nunca tiveram nenhum tipo de contato, pelo simples prazer de ofender.

 

Mas como as marcas podem se posicionar nesse universo de usuários cada vez mais sem filtro em suas opiniões? Aqui na Mídia Futura, ouvimos constantemente de alguns clientes que não estão presente nas redes sociais, que eles não estão dispostos a exporem suas marcas aos comentários que – muitas vezes – não refletem a realidade e trariam apenas prejuízos para a marca. Mas como fugir disso? Se ausentar do mundo virtual seria a solução? Ou vale a pena se expor e correr o risco?

 

A fulga nunca é a melhor alternativa, estar acuado e em posição defensiva passara a impressão para o seu cliente de que a marca não se preocupa em ouvir a opinião dele.

A sua marca deve estar presente nas redes sociais e deve estar preparada para receber os usuários e suas interações. Montar um bom plano de comunicação, elaborar boas pautas de postagens, estar apta para contornar situações adversas e sempre, sempre mesmo, absorver as críticas, corrigir a rota e se posicionar perante os clientes.

 

As marcas devem promulgar uma cultura mais analógica para o mundo digital. Quando a comunicação trouxer a tona que a forma analógica de absorção da informação é mais assertiva, o resultado será mais racional e impactante para a vida das pessoas. Ao criar o senso de que do outro lado da tela existe um ser humano que tem suas opiniões formadas, suas crenças, seus acertos e seus erros como do seu lado da tela, as conversas com certeza serão mais legais!